Passar para o Conteúdo Principal
Voltar ao início

Antnio Arajo Azevedo Conde da Barca

António de Araújo de Azevedo, Conde da Barca, foi uma figura notável na vida portuguesa no final do séc. XVIII e nas primeiras duas décadas do séc. XIX, exercendo actividade diplomática e, posteriormente, a política muito embora a sua notoriedade se congregue no êxito do exercício das suas funções como Enviado Extraordinário e Ministro Plenipotenciário junto à corte da Haia e, transitoriamente, por duas vezes, na mesma qualidade, como negociador da paz entre a França (Directório) e Portugal, a qual alcançou, no uso dos "plenos poderes" atribuídos, assinando o célebre Tratado de 10 de Agosto de 1797 que não chegou a ser ratificado pelo Príncipe Regente D. João, por imposição da Inglaterra.

Na sequência da não ratificação é detido em França na Prisão da Torre do Templo em Paris por ordem do Diretório.

Assume em 1806 o cargo de Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Guerra, em 1808 após a sua chegada ao Brasil os lugares de Ministro assistente ao Despacho e de Secretário de Estado dos Negócios do Reino.

Associaria o seu nome à elevação do Brasil à categoria de Reino, com a qual esperava sossegar os sentimentos independentistas dos brasileiros. Opunha-se, de facto, ao regresso da mesma a Portugal, ao contrário das pretensões da Inglaterra, o que conduziu à substituição do embaixador desse país no Rio de Janeiro.

 É agraciado, por Decreto Real de 17 de Dezembro de 1815, com o título de Conde da Barca. A escolha da sede do título foi feita pelo distinguido, não restando duvidas a este respeito, sobretudo se tomamos em consideração que na escolha e na decisão prevaleceram razões sentimentais ligadas a raízes familiares que possuía em Ponte da Barca.

Era grã-cruz das ordens de Cristo, da Torre e Espada, de Isabel, a Católica (Espanha), e da Legião de Honra (França). Sócio da Academia Real das Ciências e de outras associações científicas e literárias, escreveu obra poética e trágica, bem como artigos de caráter político, publicados em diversos jornais da época.


Fonte: Eurico Brandão de Ataíde Malafaia.